.
.
.
.
.

[ VISITANTES ]

sábado, 30 de julho de 2011

O Albergue:a elite vai à caça!













































Um dos mais cultuados subgêneros do terror é o chamado Gore - sendo extremas produções nas quais o elemento predominante é o sangue, geralmente acompanhado de vísceras, amputações e seus derivados, como o pus e outros fluidos nojentos. Aliás, a idéia aqui é essa mesma: causar asco no público, algo que já virou até sinônimo da palavra inglesa: "filme de nojeira".Então Grandes cineastas dos blockbusters da atualidade começaram fazendo filmes gore (e já com um pé no trash). O grande Peter Jackson é um deles e talentos Sam Raimi já é outro,um exemplo claro!eles trouxeram pérolas como Náusea Total (Bad Taste, 1987), Fome animal(Braindead/Dead-Alive, 1992)ou mesmo grandes clássicos antigos do gore como a trilogia Evil Dead. Todos repletos dos elementos citados acima e dotados de enorme humor negro.


Pois um novo nome chega para engrossar esse angu de pústulas. Eli Roth chamou a atenção da indústria em 2003 com Cabana do inferno (Cabin fever, lançado direto em DVD por aqui), seu primeiro longa, que custou apenas 1,5 milhão de dólares e deu gordos ganhos ao estúdio Lions Gate. Assim, não tardou para que seu novo projeto, O albergue (Hostel, 2006) fosse anunciado, com produção executiva de Quentin Tarantino e o escambau.O filme resultante é legítimo gore, diferente de produções recentes como os dois Jogos mortais, que sugerem muita coisa mas se perdem em armadilhas pretensiosas. O negócio em O albergue é mesmo o úmido e escorregadio choque e sua única intenção é divertir espectadores sádicos, dos quais o Marques de Sade teria orgulho. Fazer rir de pus jorrando aos borbotões é uma arte e Roth, como um Picasso das tripas, vive nesse momento sua "Fase Azul" (ou vermelha, no caso do cineasta).O diretor também é bastante feliz na escolha da ambientação de sua história. A situa em Bratislava, capital da Eslováquia, cidade da qual o grande público pouco sabe, estimulando assim o imaginário. Os encantos urbanos mostrados na telona, porém, não pertencem ao local, mas à velha vizinha República Tcheca, destino preferido dos produtores pela moeda desvalorizada, belezas naturais e preservação de edificações de séculos de idade.De qualquer forma, a idéia funciona perfeitamente. Inexplorada pelo cinema, Brastislava surge com uma aura de mistério que não funcionaria em qualquer outro destino batido da Europa, lotado de turistas. É para lá que vão os amigos mochileiros estadunidenses Paxton (Jay Hernandez) e Josh (Derek Richardson) e o islandês Oli (Eythor Gudjonsson), atraídos pela promessa de garotas maravilhosas (realmente, as centro-européias estão entre as mais lindas do planeta) e loucas por sexo. É o sonho molhado da "Sneepur Patrol" (patrulha do clitóris, no idioma da Islândia).O desenvolvimento sem pressa das situações e personagens criam a empatia necessária com os protagonistas, sem adiantar as inevitáveis e criativas chacinas. De fato, o início parece até uma comédia adolescente. Daí a satisfação em ver essas chatas figuras recorrentes no cinema morrendo um a um, creio. Já o terceiro ato é o mais questionável, encaixando-se numa idéia hollywoodiana das vendettas dignas de Charles Bronson.Bom,mas nada que prejudique a doentia criação de Roth, uma diversão para fortes do estômago e meio ruins da cabeça.


Trailer do Filme:



Nenhum comentário :

Postar um comentário